Assuntos

Compartilhar

 

YouTube Facebook Twitter Flickr Google+ SoundCloud

Novidades

Jornalismo vagabundo e criminoso, entrevista com Luis Felipe Miguel

Publicado em 23 de janeiro de 2017

[Rosângela Ribeiro Gil | NPC – SP] Não nos faltarão exemplos para corroborar a definição do professor titular do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), Luis Felipe Miguel, de que a imprensa brasileira, comercial e partidária, faz hoje um “jornalismo vagabundo”. Eu diria mais: essa imprensa está com as mãos sujas de sangue. A “ficha corrida” dessa mídia é enorme, nem todos os presídios existentes no País dariam conta para tantos crimes. Mas citaremos um caso, bem recente inclusive, que mostra a que estão dispostos quem hoje está em frente a câmeras de televisão ou escrevendo seus textos ou artigos em jornais e revistas.

Todos sabemos que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, relator da Lava Jato, foi morto em acidente aéreo no dia 19 de janeiro último. Na manhã do dia seguinte, em telejornal da Globonews, ouviríamos da boca da jornalista Thais Herédia a seguinte “informação” (?): “Claro que a morte do Teori Zavascki também está na mesa dos investidores, eu conversei com vários analistas e gestores de fundos de investimentos, tenho falado com eles desde ontem, e é uma análise bastante fria, porque é uma análise que leva em conta o risco, o custo e o preço dos ativos financeiros que estão sendo negociados agora. A análise é fria porque ela leva em consideração que a morte do ministro Teori Zavascki atrasa toda a avalanche que seria causada pela homologação das delações, a famosa delação do fim do mundo e isso daria mais tempo ao governo do presidente Michel Temer, e à equipe econômica, que carrega uma grande credibilidade a continuar tocando coisas da economia, e abre também espaço para que a reforma da Previdência avance mais.”

Com a palavra Luis Felipe Miguel, que também nos agraciou com a sua presença no 22º Curso Anual do NPC, realizado em novembro de 2016, no Rio de Janeiro. Leia a entrevista completa.

Saiba mais

Novo filme de Michael Moore ‘invade’ outros países para criticar EUA

Publicado em 23 de janeiro de 2017

[Por Luiz Zanin Oricchio, OESP- 19.01.2017] Na semana de posse de Donald Trump, com seu voluntarismo bélico, nacionalista e raivoso, talvez não haja programa melhor que o documentário O Invasor Americano, de Michael Moore, que nem sequer chegou ao circuito, mas se encontra disponível na Netflix.

Moore é cineasta tido como panfletário, que se coloca nos filmes e fustiga sem dó as mazelas de seu país, do sistema de saúde ao intervencionismo em outras nações. Significa, para o cinema, o mesmo que Noam Chomsky é para a intelectualidade americana – não apenas uma reserva moral, mas resto de lucidez, consciência crítica, fios de energia no estado letárgico que parece fazer o mundo retroceder séculos de História em poucos anos.

O imaginativo Moore bola um jeito engraçado para dar o pontapé inicial em seu filme. Recorre à ficção e faz os militares confessar que nenhuma de suas intervenções deu certo. Do Vietnã ao Iraque, ou saíram com o rabo entre as pernas ou tiveram desmascarados os pretextos para o ataque. Assim, os milicos terceirizam a Moore a função de invadir outros países e pilhar o que de melhor possam ter e trazer o butim para os EUA.

Começa assim o périplo de Michael Moore, que visita e ouve gente em países como Itália, França, Portugal, Alemanha, Islândia e Tunísia entre outros.

Nessa visita, descobre como a nação mais poderosa da Terra foi se distanciando dos ideais humanistas que inspiraram seus pais fundadores. Há um mundo a descobrir e, ao contrário do que pensa a “elite” brasileira, os Estados Unidos talvez não sejam o modelo melhor para nos servir de guia para o futuro. É um americano quem diz.

Saiba mais

TV Record demite apresentador que chamou Ludmilla de “macaca”

Publicado em 23 de janeiro de 2017

[Por Carta Capital] A TV Record decidiu demitir o apresentador Marcão do Povo, que comandava o programa Balanço Geral DF, da TV Record Brasília. Na edição do último dia 9, ele se referiu à cantora Ludmilla como “macaca”. “É uma coisa que não dá para entender. Era pobre e macaca. Pobre, mas pobre mesmo”, disse o apresentador, também conhecido como Marcão Chumbo Grosso, enquanto comentava uma notícia sobre Ludmilla ter evitado fotos com fãs. Mais cedo, porém, a Record defendeu o apresentador por meio da conta Balanço Geral DF no Twitter – que foi deletada por volta das 12h30 desta quarta-feira. “Temos a plena certeza de que o apresentador @MarcaoTV apenas utilizou uma expressão regional para se manifestar, sem o intuito de ofender a cantora Ludmilla ou qualquer outra pessoa.”

O caso ganhou repercussão na terça-feira, 17 de janeiro. Por meio de sua página no Facebook, Ludmilla afirmou que “trata-se um desrespeito absurdo e vergonhoso”. “Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras a meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu ódio. Não deixaremos impune tais atos, trata se de um desrespeito absurdo, vergonhoso”, escreveu. “Isso tem que ser combatido e farei a minha parte, quantas vezes for necessário”, continuou Ludmilla. À imprensa, a assessoria da cantora informou que “tomará todas as medidas legais cabíveis”.

Saiba mais

Escondendo Haddad

Publicado em 23 de janeiro de 2017

[Rosângela Ribeiro Gil | NPC-SP] De repente William Bonner, antes de seu tradicional boa noite no Jornal Nacional, pede aos telespectadores atenção para uma última e interessante notícia que será exibida. Estamos, é bom que se diga, no dia 10 de janeiro de 2017. O repórter começa a sua matéria: “Pode até parecer que quando a noite avança não há mais vida na cidade mais maiúscula do País. Mas há. E vida bem inteligente. Silenciosa, focada. Companheira de 60 mil opções de distração ou de estudo. Mas, poder passar os olhos por um livro, sei lá, de história da arte coisa de 3h45 só foi possível quando os mais antigos funcionários da segunda maior biblioteca pública do país pararam de trabalhar.”

Reportagem bem construída para mostrar a automatização de sistema na biblioteca municipal de São Paulo Mário de Andrade que permite o seu funcionamento 24 horas. É a primeira com automação e empréstimo full time no mundo. Nossa, em tão pouco tempo o prefeito João Doria, aquele que gosta de segurar a vassoura para fotografia, fez tamanha revolução cultural na cidade? (Caros e caras, isso será sempre impossível, acreditem). Talvez um desavisado possa achar que a resposta é ainda afirmativa. Não, não é. É apenas mais uma mostra da descarada manipulação da Rede Globo. O sistema foi implantado em 4 de julho de 2016, portanto na gestão Fernando Haddad. Mas a notícia só chegou ao Jornal Nacional seis meses depois. E a matéria não explica, em nenhum momento, que tamanha inovação e respeito às pessoas foi implantada pela administração do ex-prefeito.

Saiba mais

Sociólogo resgata série de textos sobre sobre a situação nas prisões

Publicado em 23 de janeiro de 2017

O sociólogo Sérgio Domingues é um astuto observador das penas e alegrias do cotidiano. Para ele “as terríveis e frequentes rebeliões nas penitenciárias brasileiras têm como uma de suas principais causas o encarceramento em massa. Principalmente, de pretos e pobres.” Desde 2012, Domingues aborda o assunto na sua página “Pílulas Diárias”. O primeiro texto fala sobre o nascimento da organização criminosa que nasceu como reação ao massacre do Carandiru. Agora, Sérgio organizou todos os textos produzidos sobre o assunto para facilitar a vida de seus leitores. Acompanhe aqui!

Saiba mais
Página 20 de 840« Primeira...10...1819202122...304050...Última »