Assuntos

Compartilhar

 

YouTube Facebook Twitter Flickr Google+ SoundCloud

Novidades

Programa Quintas Resistentes está de volta com entrevista sobre o 8 de março

Publicado em 16 de março de 2017

O Quintas Resistentes volta a ser exibido no mês de lutas das mulheres. O programa vai ao ar, ao vivo, hoje, dia 16 de março, a partir das 18h, e depois estará disponível na internet. Nesta edição especial, a entrevistada é a historiadora Virgínia Fontes, professora da Fiocruz. O programa será dividido em três blocos. No primeiro, as entrevistadoras farão perguntas sobre mulheres revolucionárias no início do século 20. No segundo, será abordada a participação da mulher no enfrentamento à ditadura no Brasil (1964-1984). No terceiro e último, serão apontados os desafios do movimento feminista hoje. Para assistir, basta clicar em nucleopiratininga.org.br/aovivo.

Saiba mais

Livro ‘A limpeza étnica da Palestina’ será lançado na Livraria Antonio Gramsci

Publicado em 16 de março de 2017

A Editora Sundermann e o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) convidam para lançamento e debate, com a participação de Soraya Misleh, do livro “A Limpeza étnica da Palestina”, do historiador israelense Ilan Pappé. O lançamento será dia 24 de março, às 19h, na Livraria Antonio Gramsci: Rua Alcindo Guanabara, 17, térreo, Cinelândia.

Saiba mais

Também será lançado, na Gramsci, o livro “Cidadania e Internet entre a representação midiática e a representatividade política”

Publicado em 16 de março de 2017

A Editora Appris e o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) convidam para o lançamento do livro “Cidadania e Internet entre a representação midiática e a representatividade política”, do jornalista Gustavo Barreto. O lançamento será no dia 29 de março, às 19h, na Livraria Antonio Gramsci (Rua Alcindo Guanabara, 17 – Térreo, Cinelândia).

Saiba mais

Teve início a edição de 2017 do Curso Vito Giannotti de Comunicação Popular

Publicado em 16 de março de 2017

[Por Ívina Costa – NPC] O Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) abriu nesta quinta (09.03) a 12ª edição do Curso Vito Giannotti de Comunicação Popular. A aula inaugural foi realizada na livraria Antonio Gramsci (Rua Alcindo Guanabara, 17, térreo – Cinelândia) e teve a participação de Cláudia Giannotti, coordenadora do NPC. Em alusão ao 8 de março, a jornalista falou sobre as conquistas e lutas travadas pelas mulheres ao longo da história.

A primeira aula externa aconteceu no dia 11. Junto ao professor de Geografia, Leon Diniz, os alunos fizeram uma caminhada pelo Centro histórico do Rio, da Cinelândia até a Praça da Harmonia, na Gamboa. Durante o trajeto, refletiram sobre as transformações urbanas ocorridas, sobretudo nos últimos anos, em função da Copa e da Olimpíada. Alguns dos pontos de parada foram a Candelária, Morro do São Bento e o Instituto dos Pretos Novos (IPN).

O Curso Vito Giannotti de Comunicação Popular acontece de março a outubro, sempre aos sábados, de 15 em 15 dias, das 9h às 17h. Neste ano, também haverá aulas teóricas durante a semana, a partir das 18h. O objetivo é incentivar a produção de veículos alternativos e também colaborar para a melhoria e ampliação dos já existentes. Por isso, o público alvo são estudantes de comunicação, moradores de favelas, jornalistas, sindicalistas, comunicadores populares e lutadores sociais.

Nesta edição, os alunos terão aulas práticas de redação, entrevista, pauta, produção de vídeos, web rádio, etc. Eles também vão participar de debates e reflexões sobre a importância da comunicação contra-hegemônica, análise crítica da mídia, democratização da comunicação, entre outros temas.

Saiba mais

Falta de comunicação ou falta de política?  

Publicado em 16 de março de 2017

[Por Reginaldo Moraes-NPC] Quando é escassa, a informação, em sentido amplo, dá autoridade a quem a tem. Concentrada pela escassez. Assim, em certas sociedades, domínio de certos códigos e interpretações dos fenômenos dava aos feiticeiros o governo das almas inocentes. Bem, há feiticeiros e almas inocentes em todas as sociedades. Só mudam de cara.

Quando os meios de difusão se multiplicam e “vulgarizam”, a autoridade da “fonte” diminui, dessacraliza-se. Primeiro, a fonte tradicional da informação é contestada. Depois, toda a informação, de toda e qualquer fonte, começa a ter o mesmo valor ou quase o mesmo valor – e quando é assim, toda verdade tende ao valor zero, isto é, tende a ser contestada e contestável.

Contudo, no limite, isso levaria à proliferação de guetos de verdades, articulados em torno das diversas fontes. Uma torre de babel.

A “explosão” da comunicação via tecnologias telemática é um fenômeno de poucas décadas. Ainda assim, a cada ano, ela duplica a informação disponível. Já havia e-mail e aplicações comerciais nos anos 1980. Os franceses tinham compra por Minitel. Mas os servidores de web surgiram em 1990. Os blogs são do final dessa década, quando também se generaliza a troca de música pelos MP3. Facebook é coisa de 2004. Mas isso mudou bastante a compreensão das coisas, o modo de falar e de produzir fatos.

Essa explosão e geração de múltiplas fontes e suas respectivas verdades contribui para diminuir a autoridade, mas também para aumentar a incerteza. | Continue lendo.

Saiba mais
Página 1 de 83012345...102030...Última »